sábado, 23 de maio de 2009

FCG em Crise




O Serviço de Música da Fundação Calouste Gulbenkian, em tempos de crise, parece ter entrado em contenção de gastos. A temporada de 2009 / 2010 constitui a mais pobre e desoladora de que há memória.

Além da salutar presença de Mathias Goerne e Anna Caterina Antonacci, de uma ou outra assinalável personalidade – Gardiner, Maria João Pires, Sokolov, Lupu,
Von Otter em pré-reforma e os habituais Pollini e Ma -, pouco mais há a destacar.

Então em matéria de canto, pobreza e a palavra de ordem...

Grandes Orquestras, nem vê-las; ópera em versão de concerto, uma miragem. Aposta-se na prata da casa – Orquestra Gulbenkian, sob o comando do habitué Foster.



Melhores dias virão, creio.

4 comentários:

Heitor disse...

Caro João,

Nos tempos mais recentes troquei a Casa da Música pela Gulbenkian. Pelo que diz neste seu texto (ainda não consultei a programação da FCG), quer-me parecer que na próxima temporada ficarei em casa... É que também não deposito grandes esperanças na programação da CdM.


Cumprimentos,

Heitor
(em "onda lírica")

Moura Aveirense disse...

Eu não desgostei do que encontrei ao consultar a temporada "na diagonal". Mas claro que esperaria ver Bartoli, Scholl, Kozena, e nadinha... :S

Bom fim de semana, Moura Aveirense

Anónimo disse...

Meu caríssimo Dissoluto,
Eu penso que saltou muitas páginas, pois um programa que trás Daniel Baremboim, talvez a personalidade número um da música hoje em dia, Yo Yo Ma, Pinchas Zuckerman, Rudu Lupu, Maurizio Polloni, Andras Schiff, o maestro e compositor Penderecki, o Trio Florestan, o maestro Pappano,... é um programa a invejar. Traz uma ópera em versão de concerto, a Zaira de Marcos Portugal, uma oportunidade única de a conhecer, traz muito Mahler, incluindo talvez a maior obra do século XX, a nona sinfonia. É claro não vem a Bartoli, vem a fraca Antonnacci, mas a grandeza de Barenboim obedece à relação :)
Baremboim > Bartoli + Borodina + Hampson
E mais Anna-Sophie von Otter vem cantar o seu aclamado cd sobre um grupo de canções compostas por prisioneiros dos campos nazis.
Que inveja saudável eu tenho se si !

Raul

Paulo disse...

Também me parece que algumas datas merecem a deslocação à Gulbenkian e o Raul já chamou a atenção para elas. De resto, concordo que a programação está fraquita.

Em Maio há 3-dias-3 de Goerne (celebre-se o arrojo), com "Die Schöne Müllerin", "Winterreise" e "Schwanengesang" e há também Ariadne auf Naxos em concerto e Artur Pizarro.

(Imagino que os bilhetes para Maria João Pires com a Sinfónica de Londres e Gardiner não cheguem para as encomendas.)