segunda-feira, 22 de maio de 2006

Para americano ver...

A typical american success story: o carpinteiro que se torna director-geral...


(J. Volpe, o ex-Senhor Met)

Foi assim a gala do Met, que assinalou o final da Era Volpe.


11 comentários:

Kundry disse...

Caro Dissoluto Punito,
Noto um certo sentimento de classe nas suas palavras (muito comum na Europa, aliás, onde quem nasce carpinteiro morre carpinteiro)? Se sim, diga-me por favor e eu não voltarei a visitar o seu blog.

Il Dissoluto Punito disse...

Cara Kundry,

Que ideia a sua! Não faça leituras político-sociais de uma constatação pura e simple: estas histórias só acontecem no novo continente, para o bem e para o mal!

Kundry disse...

Caro Dissoluto,
Eu acho que é sempre para o bem. Lamento se o interpretei mal. Foi a conjugação do título e da frase, mais a abundância de reticências, que me enganou.

Anónimo disse...

caros,

será que era possível contratra o Sr. Volpe para reger o nosso São Carlos?

Pedro Gris disse...

Caro Punito,
uma pequena emenda cheia de simbolismo: estas histórias de carpinteiros, para/do bem e do mal, são originalmente do velhíssimo médio oriente.

Anónimo disse...

Tudo num dvd: Met, homenagem a P. Domingo, final da récita, ainda vestido como Sansão.
Razão da homenagem: o sr. Volpe, com ar de caw-boy,(como o Sherril Milnes que foi camionista) entrega ao excepcional tenor uma taça, lembrando que este ultrapassou o Caruzo em número de aberturas de temporada. O Domingo à roda dos sessenta e o Caruzo morreu com 48. Assim não se fazem estatísticas.
Raul

Il Dissoluto Punito disse...

O Volpe para o TNSC? Já vi ideias piores...

Il Dissoluto Punito disse...

Pedro Gris,

Assim é, caríssimo! Mas achei graça à coincidência...

Il Dissoluto Punito disse...

Raul,

Não percebi a do dvd... Vai ser publicada em dvd, esta gala???

Anónimo disse...

João,
Certamente que será, como a do Levine. Não, eu referi-me a um DVD que tenho do Sansão e Dalila, com o Domingo e a Borodina e que no fim o Sr. Volpe homenageia o Domingo atribuindo-lhe uma placa comemorativa do seu recorde em aberturas de temporadas no Met, suplantando o recorde anterior que pertencia ao Caruzo.
Raul

Anónimo disse...

O Volpe também entregou as chaves da cidade à Mirella Freni no intervalo duma récita da Fedora... Ou terá sido o Mayor? Não sei! Enfim, comoveu a cantora com o gesto e pensei que assim não levaria a récita a bom termo... mas afinal foi explêndida.

J. ildefonso.