sábado, 7 de janeiro de 2006

Divagações de um possidónio

Este blogger, acometido por um surto de superficialidade, consumismo e futilidade, à beira de abandonar os prazeres elaborados - mas etéreos - da música & literatura, rende-se às maravilhas da trivialidade!

Sinto-me agora infinitamente mais feliz!

Já posso dizer, no Golf, que «isto assim é uma imensa maçada, i mainãoseiquê», «os piquenos é um aborrecimento...», «Bóra lá todx pá beira da picina, comer imensa salada e vinho vêde!», «Tá ouvir, Martim? Vá falar àquele tio ali !», «Nazalturas de gandes apêrtos, nózémais "Valha-nos S. Judas-Tadeu!", qué o santinho da nossa devoção, tá a vêr?»...

A bem dizer, o meu filho vai passar a chamar-se Lourenço e os amiguinhos dele serão o Benárdo, o Tomás, o Salvador (um só? Nem pensar! Serão immmmmmensos!); a namorada ê a Caetana (nome mailindo, não há!), prima da Constança e amiga da Madalena...

Passaremos temporadas infindas entre a Praia-das-Maçãs e o Banzããão, lugares míticos, banhados por águas cálidas e tranquilas... longe, bem longe de "pessoas quase iguais a nós, que se cumprimentam com dois beijos e assim, brrrr" (pôbres, leias-se).

O Maria-Bolachas - qual Martinho da Arcada, qual carapuça! -, espaço de eleição para debates em torno de epistemologia (prizemplo), destronará o Botequim e quejandos, pela elevação das tertulias que aí proliferarão...


E quando estivermos fatigados, partiremos todx pasSão Martinho, qué um encanto, sempre banhado de sol, luz e assim!
...

29 comentários:

Helena disse...

Este post também está muito bem disposto! Gostei dos dois, venham mais assim :)

Il Dissoluto Punito disse...

O furor maníaco tomou conta de mim, caríssima Helena... Pergunto-me se este blog não vai cessar de versar sobre música, em favor de outros domínios...
Um abraço,
João

DL disse...

A terrível atracção do supérfluo! De certeza que há todo um volume de Aristóteles alertando-nos contra os seus malefícios. Se fosse hoje, seria preciso toda uma enciclopédia! Mas como és dissoluto...

MyHiraeth disse...

...voltei!

Espreguiço-me longamente, estico as asinhas e respiro fundo: olho à volta, e o que vejo eu? O meu bosque habitualmente tão terno e etéreo foi subitamente povoado por exuberantes ramalhetes de prosa alucinada!!! Estive a dormir assim tanto tempo???

... e gostei! Gostei desta ventania de palavras, deu-me vontade de saltitar de récita em récita e rir-me desta diversidade arisca!

Dissoluto que és, cá estás tu! Pois que tal versares de música, nesse espírito de furor maníaco que te tomou de assalto?

Uma Fada feliz deixa-te aqui o habitual beijo na testa, mais ou menos possidónio, mas incontornável...

Il Dissoluto Punito disse...

DL,

Pergunto-me se a circunstância de nos alimentarmos, quotidianamente de finas e delicadas iguarias - físicas, metafísicas e espirituais - não nos aguça o desejo por coisas prosaicas, terrenas e possidónias, once in a lifetime...

Aqui te deixo, meu muito caro, o pensamento do dia...

Il Dissoluto Punito disse...

Fada,

Remeto-te para o pensamento do dia, que dirigi ao meu amigo DL.

Estou absolutamente tomado pelos clichés...

Aplaudo entusiasticamente o teu regresso a este espaço de loucura, agora bem terrena... ;-)

Beijos

MyHiraeth disse...

Ai, Punito...!

Eu adooooro coisas terrenas, prosaicas, sem requinte de tipo nenhum!.. Adoro comer hamburguers reles cheios de ketchup sem me preocupar se vou ficar cheia de molho na cara toda.. adoro comer caracóis com uma bela cerveja fresquinha, adoro ler o Harry Potter desenfreadamente como se tivesse 10 anos. Adoro as botas Timberland (de cano alto, com atilhos à frente, um must!)que o Pai Natal, encarnado no meu delicioso marido, me deu.... e adoro a possidoníssima novidade que te enviei por mail... adoro segredinhos, também! ;-)!

Venham os clichés!

beijos na testa, com direito a possidonérrrrrrimo rasto de purpurina... ai!

Fada Louca

Il Dissoluto Punito disse...

Que bom, Fada!

O que seria de nós se não nos excedessemos, de vez em quando! Viva o prosaico e possidónio universo...

Anónimo disse...

Adoro conter-me.

Anónimo disse...

Porque só assim aprecio algum excessozinho, mas sempre contido.
Qian Long

MyHiraeth disse...

Se assim não fosse, caro anonimo, como poderia sentir o prazer do excesso pontual??

A contenção marca escassa presença no meu vocabulário... sou incontidamente amante das refinadas iguarias que habitualmente povoam este blog, e incontidamente adoro dedicar-me aos prosaicos prazeres que trazem o sabor do contraponto! A beleza está nessa diversidade impossível de conter..

Adoro refinada e sofisticadamente Bryn Terfel, a sua voz, a técnica soberbamente aliada à expressão dramática e à sensibilidade...mas... que belos olhos azuis, não é?..

boa noite, simpático anónimo!

Il Dissoluto Punito disse...

Qian Long... Quer dizer...

Anónimo disse...

Um dos grandes imperadores da última dinastia chinesa (Qing), aquele que recebeu a primeira embaixada inglesa, tomando-a de um reino vassalo. Vem tudo nessa obra-prima da investigação que é L´Empire Immobile de Alain Peyrefitte. O imperador é uma personagem única. Muito curiosa a sua relação, a partir dos sesenta anos com o seu favorito Heshen.
Colocar este nome foi um excessozinho, por contraste com os outros comentários.

Anónimo disse...

Tenho algum Byrn Terfel e é, pensando bem, o melhor barítono, ou talvez baixo barítono, da actualidade, embora não seja incondicional do seu Verdi. Mas o seu Wolfram e, particularmente, o Jokanaan no DVD da Salomé do Covent Garden, são antológicos.
Qian Long

Il Dissoluto Punito disse...

Concordo, no que ao meu ilustre BRYN diz respeito! Sugiro-lhe que o veja em Mozart, onde é plenamente Dissoluto!!!

Il Dissoluto Punito disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Tenho um magnífico DVD de Le Nozze di Figaro dirigido pelo John Eliot Gardiner e os English Baroque Soloists em que Bryn Terfel é o Fígaro. Um interpretação perfeita integrada num conjunto jovem (quem tem de ser jovem), pleno de vida, com economia de meios cénicos, tudo na mais perfeita lógica e harmonia mozartiana. Não conheço o Dissoluto nem o Guglielmo do Terfel. Só árias. Estarei atento e obrigado pela informação.
Qian Long

Il Dissoluto Punito disse...

Oh meu caro Qiang...

Magnífica referência, essas Bodas! Também as tenho, em VHS e DVD, tal não é a minha doença... Como se não bastasse, comecei pela versão audio, a que aludi aqui: http://operaedemaisinteresses.blogspot.com/2005/06/gardiner-e-pera-mozartiana-as-bodas-de.html

Anónimo disse...

Caro Dissoluto,
Só lhe queria dizer que Qian Long e Raul são a mesma pessoa, mas não um desdobramento de personalidade.
Um duplo abraço

Il Dissoluto Punito disse...

Raul,

Gosto mais de conhecer o nome real dos meus visitantes!

Um triplo abraço

Anónimo disse...

João,

O meu nome é Raul e vivo actualmente em Macau, depois de ter vivido seis anos em Pequim, daí o nome Qian Long. Venho regularmente a Portugal, como no momento, e estarei na Gulbenkian para ver a Bartoli.
Uma vénia
Raul

Il Dissoluto Punito disse...

Raul,

E que tal um café, um destes dias? Dado que vem a Lisboa...

Um abraço

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

João,
Obrigado por ter tirado o email.
Nestes últimos dias tenho ouvido todos os dias a Kata Kabanova. Há anos que a tenho mas sou agora veio a paixão que deve continuar por semanas.
Raul

Il Dissoluto Punito disse...

Raul,

Espero que esteja a ouvir a interpretação de Mckerras (DECCA, com a colossal Soderstrom!

Anónimo disse...

Claro. A Soderstrom é divina, como é na Jenufa e no Caso Makropulos. Tenho as cinco gravações do Mckerras: as ditas, a raposinha matreira e Da casa dos mortos. No fim de semana passado fui a HK e, como nunca vi a Kata Kabanova, comprei um dvd, mas ainda não o visualisei.
Raul
P.S.
Possuir 10 gravações de uma ópera, no seu caso a Salomé, "destrona-me". Eu possuo 9 Don Carlo (incluindo o Don Carlos) e 8 Valquírias, onde duas têm os actos gravados separadamente.

Il Dissoluto Punito disse...

Raul,

Na temporada passada assisti a uma From the House of Dead notável, na Bastilha!
Tenho quase toda a discografia de Janacek dirigida pelo Mckerras, excepto A raposinha e a dita A Casa dos Mortos.

Acha muito, 10 Salomés??? E se lhe disser que conto com 36 Don Giovanni´s?

Anónimo disse...

Mio Dio !
Mas como tem tempo para ouvir tudo isso !?
Eu, entre cds, dvds e lasers, tenho 235 óperas em 421 versões. Tudo registado em computador, não por gravação mas por intérprete.
Raul

Il Dissoluto Punito disse...

Caro Raul,

Entre ter um cd e ouvi-lo, escutando-o comme il faut, vai uma grande distância! E que tal enviar-me a sua lista de cds para il.dissoluto.punito@gmail.com ? Quid pro quo...