domingo, 16 de março de 2008

Kát'a Roocroft


























Amanda Roocroft, apesar das hesitações iniciais - agudos titubeantes, algo erráticos e excessiva contenção no volume - compôs uma extraordinária Kát'a, que se impôs paulatinamente: à defesa, nos actos I e II, no epílogo da récita (que não teve intervalo algum, note-se), expandiu-se, oferecendo uma prestação gloriosa, dominada por uma interpretação teatralmente robusta - sem a mínima hesitação, de um engagement total -, que se fez acompanhar por uma voz plena, mais ousada e arrojada.

Os detalhes da récita - ainda marcada por uma belíssima encenação e direcção orquestral - serão objecto de um post, que redigirei, já em solo luso.

3 comentários:

Paulo disse...

Que belíssimo modo de festejar o "post" nº 1000. Ainda bem que gostaste. Aguardamos mais detalhes.

Câmera Digital disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Câmera Digital, I hope you enjoy. The address is http://camera-fotografica-digital.blogspot.com. A hug.

Anónimo disse...

Bem me parecia que a Amanda Roocroft havia de ser uma excelênte protagonista da Kat'a kabonava.

J. Ildefonso.