segunda-feira, 19 de novembro de 2007

O Handel de Kozená

8 comentários:

Paulo disse...

Eu gosto da Kozená e não acho que seja uma cantora fria, sem alma. O disco em questão tem momentos muito bons, mesmo quando a comparo com outras cantoras do mesmo género e nas mesmas árias.

Tenho pena que venha aí mais um recital dela que não aproveita o seu repertório barroco. Mas será certamente mais uma oportunidade de apreciar a sua inteligência enquanto intérprete.

Anónimo disse...

desculpe lá ó senhor punito e demais interesses mas a Magdalena é das artistas mais geniais da actualidade.

Il Dissoluto Punito disse...

Paulo,

Fria, fria, não será. Mas, neste registo, falta-lhe calor! Falo, apenas e só, DESTE cd!

Il Dissoluto Punito disse...

Anónimo,

Mas quem foi que disse o contrário???
Neste post, apenas me debrucei sobre ESTE registo!

Moura Aveirense disse...

Para mim é um dos discos mais admiráveis da Kozena. Algumas árias são verdadeiramente "pungentes"... a sua "Scherza infida" na Gulbenkian (em que actuou com o David Daniels) é para mim inesquecível.

Uma boa noite, Moura Aveirense

Paulo disse...

Continuo a não concordar, João. O disco não será perfeito, mas tem vários momentos muito bons, com "Scherza infida" e "Ah! mio cor" à cabeça. Tal como a Moura, também tenho óptimas recordações desse concerto na Gulbenkian.

Il Dissoluto Punito disse...

Caros Moura e Paulo,

Também estive nesse belo concerto, como aqui disse - http://operaedemaisinteresses.blogspot.com/2005/11/kzena-e-daniels-ontem-na-gulbenkian.html

;-)

Anónimo disse...

Não comprei o c.d. em questão mas como também assisti ao concerto na Gulbenkian sinto-me habilitado a participar. No concerto a Kozena muitissimo mais interessante do que o Daniels. Segundo entendi o reportorio é mais ou menos comum ao da gravação. Será possivel que em estudio estivesse um pouco mais inibida? Alguns cantores, normalmente os muito bons, são melhores ao vivo do que em estudio.


J. Ildefonso.