terça-feira, 2 de janeiro de 2007

2007 - desejos...

Do fundo da minha límpida e pura alminha, desejo que os anseios da doce Floribella se tornem realidade.

Com emoção e uma lágrima que teima em brotar de meus olhinhos, convido o leitor a reflectir sobre a densidade das sábias e sentidas palavras da piquena heroína.

Se o grande Verdi estivesse entre nós, não resistiria a fazer uma ópera, com base na eloquente trama que dá pelo nome de Floribella.



Posto isto, eis a mais sábia e comovedora letra que alguma vez escutei, Pobres dos Ricos, de seu nome:

"POBRES DOS RICOS, QUE TANTO TÊM
P’RA QUE É QUE SERVE TANTO DINHEIRO

POIS FALTAM SONHOS, FALTA VONTADE
FALTA O TEMPO E A LIBERDADE

VIVEM COM MEDO DE PERDER ALGO
MUITA ARROGÂNCIA E MUITA GANÂNCIA

FALTA O TEMPO E A ESPERANÇA
FALTA A ALEGRIA E O SOL DA MANHÃ

POBRES DOS RICOS, QUE SEM VERDADE
VIVEM A VIDA SEM LIBERDADE

NÃO TENHO NADA
MAS TENHO, TENHO TUDO
SOU RICA EM SONHOS
E POBRE, POBRE EM OURO

POIS NÃO ME IMPORTA
POIS SÓ POR TER DINHEIRO
NÃO COMPRO AMIGOS, ESTRELAS
UM AMOR VERDADEIRO

EU TENHO SORTE, POIS SENDO POBRE
SOBRA-ME TEMPO E TENHO SONHOS

POIS TENHO O MUNDO NA MINHA MÃO
NÃO HÁ TRISTEZAS NEM SOLIDÃO

VEM TER COMIGO, VAMOS CANTAR
POIS NUNCA É TARDE PARA SONHAR

POIS TENHO TODO O TEMPO DO MUNDO
PORQUE ME SOBRA CADA SEGUNDO

TUDO O QUE TENHO É DIVIDIDO
O MELHOR DA VIDA SÃO OS AMIGOS..."

O que dizer do refrão? Quanta singeleza, quanta sapiência!
A materialização da pobreza-honrada-salazarista!

Moral da história: Silicon Valley - leia-se Ana Malhoa - tem munnnnto que aprender com esta doce menina!!!

2 comentários:

Jose Augusto Soares disse...

Poupe-me a tanta pepineira...

Anónimo disse...

Ópera Floribela!

'bora Lá!

Em Lá maior, pois então, que para Dó's menores basta a vidinha!