sexta-feira, 17 de junho de 2005

Gardiner e a ópera mozartiana: As Bodas de Figaro

Na década de ´90, John Eliot Gardiner empreendeu um hercúleo trabalho: gravar, para a ARCHIV, parte substancial da composição operática mozartiana, em instrumentos da época.
Contou, para tal, com o Monteverdi Choir, bem como com os English Baroque Soloists - versão barroca da Orchestre Revolutionnaire et Romantique -, formação orquestral por si fundada e presidida, famosa pelas cuidadas interpretações de música pré-romântica que, invariavelmente, recorre a instrumentos da época.
Para além da célebre trilogia - formada por Don Giovanni, As Bodas de Fígaro e Così Fan Tutte -, Gardiner gravou ainda O Rapto do Serralho, A Clemência de Tito, Idomeneu, Rei de Creta e A Flauta Mágica.
O imenso trabalho que o maestro inglês empreendeu, além de primar pelo rigor, é de uma coerência notável. A par da circunstância de ter utilizado, exclusivamente, instrumentos da época, a mesma formação orquestral e o mesmo coro, como intérpretes vocais, John Eliot Gardiner escolheu jovens solistas, detentores de vozes frescas e seguras (ainda) avessas a meneirismos histriónicos. Refira-se, a este propósito, Terfel, Rolf-Johnson, Von Otter, Orgonasova e Oelze, entre outros. No decurso da década de ´90, todos eles se afirmaram no panorama lírico mundial como reputados interpretes - entre outros territórios - de ópera mozartiana. Gardiner fora um visionário...
Em 1998, comme par hasard, descobri As Bodas de Fígaro dirigidas por John E. Gardiner. Nunca mais me separei desta magnífica interpretação ! Levo-a para onde quer que vá...
A direcção de Gardiner é espantosa e infinitamente teatral, rápida e fugaz, sendo a que - em meu entender - mais explicitamente traduz o ambiente que se vive nesta singular louca jornada ! Atente-se no vigor da abertura ! Verdadeiramente breathtaking...
Paralelamente à ilustre direcção musical de Gardiner, nesta inusitada leitura, destacaria, sobretudo, os intérpretes masculinos.
Terfel compõe um Fígaro pleno de inteligência, sagacidade e fulgor, afirmando-se pela virilidade. Traça-nos um Fígaro complexo, astuto, hábil, vocalmente denso, seguro e profundamente humano.
Bryn Terfel é, seguramente, o mais reputado barítono mozartiano da actualidade, tendo iniciado a sua brilhante carreira como Guglielmo (Così Fan Tutte), na Ópera Nacional do País-de-Gales. Seguiram-se todas as grandes personagens mozartianas buffas: Masetto, Figaro, Leporello, bem como o papel titular de Don Giovanni, de que é, nos dias que correm, o mais hábil e requisitado interprete.
Rodney Gilfry - à época, jovem barítono americano -, vocalmente correcto, oferece-nos um refinado Conde, imenso na sua arrogância e patético no seu orgulho. Na cena final, diante da Condessa, o seu arrependimento é de uma humanidade estonteante, convencendo a mais céptica das criaturas !
Inteligentemente, Gardiner entrega o papel de Dr. Bártolo a Carlos Feller - sul-americano, de nascimento, há muito habitué dos teatros líricos alemães -, um soberbo baixo sexagenário, que interpreta a mais fabulosa La vendeta que conheço ! Inigualável !!!
No que se refere aos papeis femininos, a Suzana de Hagley sobressai pela teatralidade. Não possuindo um instrumento vocal particularmente dotado, a interprete compõe uma divertida Suzana, astuta e dócil.
O maestro entregou a Condessa a H. Martinpelto, por quem parece ter uma inexplicável predilecção, já que a mesma interpreta diversas personagens - Leonora (Fidelio) e Electra (Idomeneo), entre outras - em inúmeras gravações por ele dirigidas. Não consigo reconhecer outras qualidades a esta cantora escandinava, para além do rigor com que interpreta uma das mais complexas personagens da ópera de Mozart ! Como poucas cantoras, Della Casa e Schwarzkopf traçam-nos uma Condessa dócil, astuta e melancólica, de uma elegância inigualável...
Por último, P. Helen Stephen interpreta um Chérubino pretensamente original, cuja emissão vocal quase roça o caricato, mercê de uma caracterização excessivamente teatral...
Esta interpretação, plena de virtudes e prolixa em fragilidades, em minha opinião, constitui a mais séria e sólida interpretação da louca Jornada dos últimos trinta anos !
A seu tempo, tecerei outros comentários às demais interpretações mozartianas de Gardiner.
(ARCHIV 439 871-2)
Em alternativa a esta gravação áudio - captada ao vivo, em Londres -, a DG disponibiliza, em DVD (DVD-VIDEO NTSC 073 018-9), um registo da mesma ópera de uma récita em Paris - Théâtre du Châtelet -, com o mesmo elenco.
A não perder, pela coesão teatral, para além das já mencionadas virtudes musicais e interpretativas !

2 comentários:

Anónimo disse...

I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

Anónimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!