terça-feira, 24 de maio de 2005

Arabella, Mattila, Hampson, Bonney e ...Paris, enfim !

Parto amanhã, ao final da tarde, rumo à minha segunda pátria.
O móbil (oficial) da viagem é a Arabella que a soberba Mattila vai reinterpretar, no Châtelet. Tenciono, ainda, passar pela Bastille, para assistir a uma récita de De la maison des morts, de Janacek.

Na minha mala de viagem, com vista a uma cuidada audição, vão: Debussy - Integral para piano, vol. I, por Thibaudet -, Stravinsky - Pétrouchka & Le sacre du printemps, por Boulez -, Verdi - Falstaff, por Toscanini -, Scarlatti - Sonatas, vol I e II, por Hantaï - e um mágnífico registo de lieder de Strauss, Berg e Korngold, pela inigualável Von Otter, a quem Jorge Calado teceu intermináveis e legítimos elogios, n´O Expresso !



(Lisa della Casa, como Arabella)

Na alma, levo duas maravilhosas interpretações de Arabella: a de Solti - com Della Casa, no papel titular - e a de Böhm - com Maria Reining, na pele de jovem Arabella, Della Casa, ainda, na pele de Zdenka e... nem de propósito... Hotter, como Mandryka!
Opte-se pela primeira, na dúvida... sobretudo pela Belíssima Arabella que a grande Lisa Della Casa interpretou, tanto em cena, como no estúdio !


(Della Casa, Arabelissima, como se tornou conhecida, entre os straussianos)

2 comentários:

AB disse...

Queremos depois uma descrição pormenorizada desses eventos. Ou o senhor julga que isto é só viajar e viajar ?

Leporello

Il Dissoluto Punito disse...

Devo escrever alguma coisa sobre o evento da saison lyrique, ainda hoje... Assim me permita o coração, que esteve a pontos de rebentar de emoção depois da récita de Arabella, com tudo o que a dita teve de imprevisto...